segunda-feira, janeiro 21, 2008

Outro Testamento Falso nos Arquivos de Espanha

Customa-se dizer nos EUA "Where there is smoke there is fire" e no caso das falsidades envolventes do Mistério de Colon hesiste muito fumo. Tendo já provado a falsidade do Testamento de 1498 resolvi investigar mais a fundo os documentos relacionados com o Almirante Colon escondidos nos Arquivos de Espanha. É incrivel para mim ver como documentos claramente falsos são mantidos nos arquivos e ainda por cima não terem junto a eles nenhuma nota que o documento é falso ou pelo menos duvidoso. Um caso patente é o Codicilho Militar que embora esteja provado que é falso em todos os sentidos é guardado nos arquivos de Espanha como um documento verdadeiro.
Igualmente é o caso do Testamento falso de 1498 e agora temos mais um e esse é o Testamento de 1449 de Domenico Colombo transcrito em 1586.
Falsidade mais patente não poderia hesistir e não sei como os historiadores e invetsigadores não notam estas falsidades.
O documento, um suposto testamento de Domingo Colombo de Cogoleto feito em 1449 aparece no Archivo Histórico Nacional debaixo da classificação: DIVERSOS-COLECCIONES,41,N.15
Aqui vão três imagens para não meter o documento inteiro, notem que este foi também escrito em 1586 durante o Pleito para a herança e é outro dos documentos claramente apresentados por Baltasar Colombo. Não vou dar muitas explicações porque não o merece. Somente aponto para a data do Testamento 1449 e que já eram vivos os três Colombos Cristóvão , Bartolomeu e o Jacome. Como se vê os falsos herdeiros Colombos não paravam e a eles devemos hoje muita da confusão sobre o Alimrante.






Carregue nas
imagens para
aumentar-las

8 comentários:

  1. Manuel Rosa

    O testamento de 1497/98 estava revogado. A que propósito alguém falsifica um testamento revogado? Para quê? Se me descobrir uma razão tiro-lhe o chapéu!

    Maria Benedita

    ResponderEliminar
  2. Cara Maria Benedita,

    Primeiro que tudo pare de lhe chamar o Testamento de 1497/1498 não hesiste tal animal. Hesiste uma Autorização de Mayorazgo passada em 1497 e copiada por C. Colon em 1497. Depois hesiste um Testamento com data de 1498. São duas coisas diferentes.

    Agora para rsponder á sua pergunta:"A que propósito alguém falsifica um testamento revogado?"

    Este testamento nunca foi revogado por C. Colon porque ele nunca hesistiu durante a vida de C. Colon.
    O texto que é apontado como revogando um testamento em Las Cuevas não faz parte deste documento o que me leva a pensar que era outra folha juntada a estas embora nas páginas deste tivesse espaço bastante para tal nota. Mas não tem nota nenhuma de revogação nele.

    A nota deveria de estar noutra folha também forjada que deve de ter levado volta.

    Agora para responder á pergunta de porquê falsificar um testamento e falsificar uma revogação para o mesmo?

    É simples. O ducmento nunca hesistiu por isso aparecendo agora como uma "novidade" todos perguntariam como é que ninguém ouviu falar dele antes?
    "Diga-nos lá senhor Baltasar como explica esta novidade?"

    "É simples foi revogado por isso ninguém o usou antes mas agora que o outro testamento o verdadeiro de 1502 desapareceu não temos outra opção se não usar este que eu por grande sorte encontrei lá nos baús de Las Cuevas. Não é a última vontade do Almirante mas pelo menos era a penúltima vontade."

    "Hhhmmm não sei esta assinatura não parece correcta nem sequer tem testemunhas, nem acho que esta nota de revogação é escrita pelo Almirante velho, parece que a tinta está fresca!"

    "Senhores se me permitirem trazer umas cartas de Las Cuevas escritas pelo Almirante posso provar que esta nota revogando este testamento é mesmo do punho do Almirante, está bem?"

    "Venham lá as cartas de Las Cuevas."

    E o resto já se sabe o Conselho das Indias olhou revistou e acabou por aceitar que era verdadeirinho como o apresentavam e assim ficou até hoje.

    Mas não é verdadeiro nem algumas das cartas de Las Cuevas são verdadeiras do Almirante. Qualquer pessoa que levar 5 minutos a ver-las dá com a diferença em letra e assinaturas.
    Estou pronto a apostar que a carta atribuida a C. Colon para o Banco de S. Jorge e aquela para o Oderico foram forjadas neste tempo.
    Mas esse estudo fica para outro tempo.

    Como se vê o Baltasar de Cogoleto até forjou um Testamento para o pai de COLOMBO tecedor de lã mas desta vez eram de Cogoleto.
    Quem não dá os seus passos com cautela nesta armadilha ficará tramado para semore como muitos têm sido.

    Manuel Rosa,

    PS: por favor não me tira o chapéu porque tenho a cabeça quentinha. Se precisa de um chapéu assim tanto aconselho alguma loja do Colombo.

    ResponderEliminar
  3. não acredito! outro documento falso?

    ResponderEliminar
  4. Manuel Rosa

    Esse testamento foi revogado, a feitura de um novo testamento revoga automaticamente o anterior!
    E mesmo que assim não fosse há a nota, escrita por Colombo a revogá-lo!E foi sobre essa nota que se debruçaram os peritos e a deram como verdadeira!
    E Baldassare, tendo falecido entretanto, foi seu filho indemnizado por desistir dos pleitos!Como explica isto?
    A indemnização também era falsa?
    Você está enredado numa teia monstruosa com o testamento, a sua única safa é dar todos os documentos como falsos e todos os juízes, peritos, membros do Conselho das Índias, etc, como comprados! Mas olhe que comprar toda esta gente, que se foi sucedendo no tempo pois os pleitos duraram 200 e tal anos...não cabe na cabeça de ninguém, por mais lerdo que seja!

    Maria Benedita

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  6. Para além de malcriado e grosseiro é completamente ignorante! E depois ainda falam em elitismo. Como se com gente desta não fosse normalíssimo ser-se elitista!
    Sabes o que é uma revogação, meu merdas ? Evidente que não, não tiveste quem te ensinasse a ter maneiras quanto mais a ter o mínimo de instrução

    Gonçalo, elitista confesso face a gentalha de baixo nível

    ResponderEliminar
  7. A mãe era sopeira, o pai trabalhava de enxada, emigrou tudo, e está á espera que alguém tenha educação para lha dar? Gentinha é gentinha, caro Gonçalo, mas aprovo o seu elitismo, como não podia deixar de ser.

    Saudações nortenhas

    Francisco

    ResponderEliminar
  8. cara Maria Benedita,

    ""Mas olhe que comprar toda esta gente, que se foi sucedendo no tempo pois os pleitos duraram 200 e tal anos...não cabe na cabeça de ninguém, por mais lerdo que seja!"

    Bastava comprar só aqueles que aceitaram o testamento falso como verdadeiro porque assim que é julgado verdadeiro fica aceite por todos como verdadeiro até hoje. E até nem precisava isso. Bastava somente comprar o falsificador nada mais. As cartas verdadeiras que foram buscar a Las Cuevas são escondidas no caminho e substituidas pelas do falsificador. é tudo muito facil se a senhora nunca encontrou este tipo de coisas no seu tribunal deve ser por isso que não entende.

    Mas eu dou-lhe uma saida. Diga-me em que documento está a nota de C. Colon a revogar o Testamento de 1498.

    Manuel Rosa

    ResponderEliminar